NÃO CAIA NA ARMADILHA DA AUTOESTIMA

A maior angústia da vida moderna é que, não importa o quanto você tente, ou o quão bom você é no trabalho, na dieta ou no exercício, nunca é suficiente. Sempre há alguém mais rico, mais magro, mais disciplinado, esforçado, que te faz sentir fracassado.

Ao longo dos anos, milhares de livros e artigos de revistas, assim como as mídias sociais  vêm promovendo a ideia de autoestima e reforçando a ideia de que precisamos ter alta autoestima em vez de sermos felizes e saudáveis, e dessa mesma forma para nossos corpos e para o exercício. Temos que pensar em “comer saudável” o tempo todo a todo custo e afirmar que somos para sermos bons o suficiente precisamos ser magros ou ter corpos esculpidos e que ao chegarmos lá encontraremos nossa autoestima.

Autoestima e motivação até podem fazem com que a pessoa se sinta especial e acima da média (como se estar na média fosse considerado um insulto). Porém, é logicamente impossível que todo ser humano do planeta esteja acima da média ou dentro de uma padrão alimentar (dieta) e de corpo. Fruto desse processo,  surge a comparação social, em que estamos continuamente tentando nos colocar pra cima, enquanto alguém é colocado para baixo dando as origens para o preconceito, a desigualdade e até ao bullying.

“Mesmo quando você tem autoestima, isso irá provavelmente voar pela janela na próxima vez em que não conseguir seguir o sua dieta ou faltar no exercício, não conseguir simplesmente fechar o zíper da calça ou não receber aquele convite esperado”.

E assim é a autoestima, funcionando como um passeio de montanha-russa emocional: nosso senso de autovalor sobe e desce ao passo que temos sucessos e falhas.

Será então que temos alguma alternativa que não nos submeta a esse processo que tende a cair no fracasso?

A resposta: AUTOCOMPAIXÃO. Ela está relacionada a sentir-se bem em relação a nós mesmos sem  avaliar o quão bons ou dignos nós somos. Ao invés desta avaliação, ela envolve nos oferecer cuidado e dar suporte a nós quando falhamos, quando nos sentimos inadequados e em nossas lutas diárias.

Ou seja, partimos do princípio de que haverá falhas, e que tudo bem! Quando eu passo a entender que eu sofro e que, assim como eu, todos os seres humanos são passíveis de falhas e sofrimento, não me torno alguém especial ou diferente da totalidade, e sim, somente mais humano. Diferente da autoestima, a autocompaixão oferece mais estabilidade emocional, já que estará sempre ali por você, você estando no topo do mundo ou quando você cair de cara no chão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s